Archive for the ‘Eddy Teddy’ Category

Long live Eddy Teddy

julho 20, 2012

No próximo dia 28/07/12 o Eddy Teddy completaria 62 anos.
Claro que parece engraçado comemorar a data de alguém que já faleceu, mas quando se trata de fazer uma festa para alguém que adorava organizar um evento e reunir amigos como o próprio Eddy, isso é mais do que um prazer é uma satisfação celebrar esta data .

Confesso que enquanto eu existir não vou deixar a memória do meu pai ser esquecida, principalmente alguém que dedicou grande parte da sua vida ao rock & roll numa época que tinha que ser na raça.

Minha idéia era lançar o documentário este ano, mas infelizmente não consegui, quando tem que se dobrar para cuidar da vida pessoal, profissional e ainda sem recurso entrar de cabeça em um projeto com pouquíssima ajuda tudo fica mais complicado. Quem sabe um dia não lançamos este documentário ou em ultimo caso um dia meu filho terá bastante material para contar a história.

Para celebrar esta data, vou me reunir com uma das bandas mais antigas, conceituadas na cena psychobilly e rockabilly nacional em plena atividade, A Grande Trepada ou Big Trep.

Me sinto honrado em reencontrar com estes caras que moram no Rio de Jairo para mais um Double Trouble, uma jam session na raça, só que agora em Poços de Calda/MG no bar “Old Skul Garage Bar” de outro amigo Flavio Gouveia.

 Anote na agenda, dia 25/08 (Sabadão) Luiz Teddy & BiG Trep em Poços de Calda comemorando 62 anos do Pioneiro da cena rockabilly no Brasil.

Escreva sua sugestão para o nosso repertório, e não perca tempo. Participe dessa festa inesquecível.

 “Viva Eddy Teddy”

 

Rockterapia – Buzum

junho 4, 2012

Apresentação do Rockterapia no programa Boca Livre da Tv Cultura, 88 ou 89

Com a participação do Kid Vinil nos vocais.

Baby Assim não vou

maio 29, 2012

Aqui esta uma versão nervosa para Baby Please Don´t Go com o Rockterapia que ganhou o nome de “Baby Assim não Vou”.

Essa era uma daquelas músicas que a galera entrava em transe durante o show e a pista vinha a baixo.

O Rockterapia certamente foi uma das bandas mais nervosas que o Eddy Teddy já teve, onde passaram músicos excelente, como Nuno Mindelis e Emerson Villani s. A proposta era resgatar as origens do Rock & Roll e o  Rhythm and Blues.

Foi uma pensa não ter existido um disco oficial, apenas muitas gravações ao vivo e alguma coisa em estudio. Que sabe alguém um dia não se interessa em gravar o som dos caras que certamente faz parte da história do rock nacional.

Eddy Teddy e Andre Christovam

maio 28, 2012

Gravação rarissima do Rockterapia feita no programa de rádio Record Runner no dia 03/04/92, participação do músico André Christovam.

Jam com a música do Coke Luxe, Sonho de pobre.

Gravações Raras

maio 28, 2012

Já que as filmagens para o documentário estão paradas e por isso o blog também, vou disponibilizar através do youtube algumas gravações raras do Eddy Teddy em difererentes fazes da vida e com diversas bandas.

Para começar um cover do legendário Conway Twitty com o Coke Luxe em um ensaio que rolou em 83 na primeira formação da banda. Sempre curti muito essa versão e o vocal do meu pai.

Espero que gostem.

Feliz aniversário Eddy Teddy!!!

julho 28, 2011

Para mim, o Rock & Roll é uma religião

Eddy Teddy

Sentimento X Pasmaceira

julho 18, 2011

Caderno HP (29/6/91)

TÃO PERTO, TÃO LONGE !!!

junho 21, 2011

Neste ultimo final de semana, organizei como de praxe um seção de vídeos de rock & roll com meu amigo/irmão Deni.

Talvez  pelo fato de termos vivenciado muito disso com nossos pais, quase que mensalmente nos reunimos  para tomar umas cervejas, assistir vídeos de rock & roll, escutar sons e trocar idéias sobre música, vida e o passado.

Sempre comentamos que precisamos aumentar este grupo, mas é difícil achar hoje em dia pessoas que curtam e tenham algum conteúdo.

Desde que me tornei espírita, comecei a ter outra visão e outro sentido sobre as coisas, mas a dor da perda é algo difícil de saber lidar, principalmente quando é interrompida antes do momento que achamos normal no ciclo de vida…ainda tenho muito que aprender, mas acho que é o caminho.

E por falar em perda, já se completou 14 anos que o “Eddy Teddy”, se foi…como passa rápido!

Sempre penso em como é que ele estaria se estivesse vivo, por exemplo como será que seria sua festa de aniversário no próximo mês de julho, o cara iria completar 61 anos, será que estaria tocando com alguma banda???  

Enquanto não gravamos ou não tenho novidades em relação ao documentário, sempre fico procurando assuntos baseados na cultura rocker para incrementar o blog ou pelo menos responder os e-mail que recebo, mas dessa vez, pensei em escrever e colocar em discussão um pouco sobre esse lance de termos ídolos que estão tão longe e tão perto ao mesmo tempo e como o tempo corre e muitas vezes não sabemos aproveitar os bons momentos que a vida nos proporciona.

No mesmo dia, fiquei olhando para minha estante de discos e mergulhei no passado recordando dos finais de semana quando meu pai sempre recebia amigos em casa e como isso fazia um bem a todos que estavam por ali. Era tanta informação que parecia uma sala de aula!

Depois me deu um puta bode em pensar que a vida toda juntamos uma porrada de coisas e tentamos desenhar nosso futuro e muitas vezes somos surpreendidos na melhor fase de nossas vidas pelo acaso.

O Eddy, foi um cara realmente formidável e diferente, pensou em cada detalhe, se preocupou muito com a memória e em divulgar ao máximo um pouco da cultura que muito não vivenciaram, eu mesmo não nasci nos anos 50/60 e muitas das pessoas que eu conheço e que cultuam o estilo.

É até difícil descrevê-lo para as pessoas que não o conheceram ou que sabem do Eddy Teddy ( líder do grupo Coke Luxe e percursor do Rockabilly no Brasil), mas realmente foi um cara impar.

Uma vez guardei um e-mail onde recebi um texto publicado pelo Pedro Bial quando o Bussunda (Humorista do Casseta e Planeta) morreu achei muito interessante e por isso resolvi reescrevê-lo, com todo o respeito, falando um pouco sobre esta passagem do Eddy.

“Foi duro achar que aquilo não se passava de um “apronto” como diria o próprio Eddy ou um dos seus show de rock & roll, mas  quando cheguei no velório parecia uma reunião de amigos para ver um dos shows do Rockterapia ou alguma de suas bandas, era difícil acreditar no que estava acontecendo.

Na noite anterior, ficamos escutando com amigos e alguns parente o programa do Kid Vinil na Brasil 2000, em especial ao Eddy, enquanto desligavam os aparelhos e meu pai doava todos os órgãos e também aguardávamos uma ligação do hospital para avisar a família para acertar toda a papelada.

Depois todo aquele tramite de papeis, comercio de cachões e pacotes funerários, que chega a ser cômico numa hora tão terrível.

Quando cheguei no funeral e começamos a receber os amigos e familiares parecia que a qualquer instante o Eddy se  levantaria do caixão da mesma forma que costumeiramente se erguia quando pulava no palco durante sua apresentações ou que alguém iria contaria alguma piada, mas estava tudo sério demais, faltava música, faltava uma dose de bourboun, faltava alegria nas pessoas.

Como o Eddy tinha inúmeros amigos, desde roqueiros até empresários era um mar de gente com diferentes estilos mais ao mesmo tempo com muitas coisas em comum com ele.

Nada acontecia ali,era só dor e perplexidade, que é mesmo o que e causa em todos os que ficam. A verdade é que não havia nada a acrescentar no espetáculo: a morte, por si só, é um show que se encerra , fecha a cortina e pronto, acabou. Morrer é ridículo.

“Você combinou de jantar com a namorada, está em pleno tratamento dentário, tem planos pra semana que vem, precisa autenticar um documento em cartório, colocar gasolina no carro e no meio da manhã morre. Como assim? E os e-mails que você ainda não abriu,o livro que ficou pela metade, o telefonema que você prometeu dar à tardinha para um cliente?

Não sei de onde tiraram esta idéia: morrer..A troco? Você passou mais de 10 anos da sua vida dentro de um colégio estudando fórmulas químicas que não serviriam pra nada, mas se manteve lá, fez as provas, foi em frente. Praticou muita educação física, quase perdeu o fôlego, mas não desistiu. Passou madrugadas sem dormir para estudar pro vestibular mesmo sem ter certeza do que gostaria de fazer da vida, cheio de dúvidas quanto à profissão escolhida, mas era hora de decidir, então decidiu, e mais uma vez foi em frente…

De uma hora pra outra, tudo isso termina numa colisão na freeway, numa artéria entupida, num disparo feito por um delinqüente que gostou do seu tênis. Qual é? Morrer é um chiste. Obriga você a sair no melhor da festa sem se Despedir de ninguém,sem ter dançado com a garota mais linda, sem ter tido tempo de ouvir outra vez sua música preferida. Você deixou em casa suas camisas penduradas nos cabides, sua toalha úmida no varal, e penduradas também algumas contas. Os outros vão ser obrigados a arrumar suas tralhas, a mexer nas suas gavetas,a apagar as pistas que você deixou durante uma vida inteira. Logo você, que sempre dizia: das minhas coisas cuido eu.

Que pegadinha macabra: você sai sem tomar café e talvez não almoce, caminha por uma rua e talvez não chegue na próxima esquina, começa a falar e talvez não conclua o que pretende dizer. Não faz exames médicos, fuma dois maços por dia, bebe de tudo,curte costelas gordas e mulheres magras e morre num sábado de manhã. Se faz check-up regulares e não tem vícios, morre do mesmo jeito. Isso é para ser levado a sério? Tendo mais de cem anos de idade, vá lá, o sono eterno pode ser bem-vindo. Já não há mesmo muito a fazer, o corpo não acompanha a mente, e a mente também já rateia, sem falar que há quase nada guardado nas gavetas..

Ok, hora de descansar em paz. Mas antes de viver tudo, antes de viver até a rapa? Não se faz.

Bom meus amigos, valorizem ao máximo a família e as pessoas que surgem durante nossa estadia na terra, pois nada é por acaso e o tempo passa rápido de mais, quando pararmos para pensar, já foi.

Keep rocking

Memória viva

junho 2, 2011
Eddy Teddy

Eddy Teddy

Leitores e amigos, nos últimos meses fiquei afastado do blog pelo excesso de trabalhos e mesmo assim pude dar continuidade a um dos trabalhos que estou tendo em transformar todas as gravações em cassete das diversas bandas que o Eddy Teddy teve durante sua carreira e também muitas festas que estão registradas em arquivo digital.

Digitalizar as fitas cassetes é uma tarefa árdua e cansativa, mas ao mesmo é poder voltar ao tempo através da música e ver quanta coisa rolou, me emociono a cada gravação.

Hoje percebo melhor a importância e a preocupação do Eddy em preservar a memória, são tantas raridades que tem material para lançar inúmeros CDs.

Não existia filmadora ( que não fosse profissional), nem maquina fotográfica digital, nem celular, os recursos eram mínimos e as poucas alternativas que restavam, poucas pessoas se atentavam em preservar fatos importantes e até mesmo pessoais para as outras gerações.

Sou muito grato por ter um pai que sempre se preocupou com estes detalhes.Talvez por existir pouca recordação da sua infância, mas o Eddy era o tipo de cara que escrevia diários, anotava tudo.

Em todos os seus discos estão sua assinatura, a data que foi comprado….era um cara único, capaz de guardar até guardanapos com mensagem que recebia dos amigos.

Não sei ainda o que farei com todo este acervo, são mais de 300 fitas com gravações de diversas fases da carreira musical do Eddy e também das inúmeras festas que rolaram.

Quem sabe não consigo algum parceiro ou amigo para ajudar a um cd independente, de uma destas fases ou até mesmo uma coletânea contando um pouco dessa história.