Archive for the ‘Coke Luxe’ Category

Coke Luxe – Espírito de Porco

junho 5, 2012

Versão rara de um dos últimos ensaios do Coke Luxe no estúdio KDB na Freguesia do Ó.

Um papo descontraído e divertido com Victor Ricelli (Jipp Willis), um dos fundadores da banda Coke Luxe.

fevereiro 23, 2011

Neste último domingo, 20/02/2011 entrevistamos para o documentário, Victor Ricelli um cara que para muitos na cena rockabilly possa parecer um pouco desconhecido mas além de ter sido um dos fundadores do Coke Luxe, é o compositor de um dos maiores clássicos do rockabilly nacional, a música Roque o Azarado, também conhecida como Conta da Light.

Victor, tocou bateria na primeira formação do Coke Luxe, onde chegou a gravar o compacto, É Rockabilly e o LP “Rockabilly Bop”. Na época era conhecido como Jipp Willis, uma alusão ao carro Jeep Willys.

A entrevista rolou num clima bem descontraído e muito humorado em sua casa, alias o bom humor é uma característica marcante nas composições do Victor que procurava sempre usar o humor como protestar problemas do cotidiano e das grandes metrópoles.

Além da versão de Everybodys Movin (Roque o Azarado), compôs e fez versões de muitas musicas da banda como por exemplo: Avenida Angélica, Você fez mal para a minha irmã, Sonho do Baú, INP Rock e ainda em parceria com o Piga, compuseram Não beba papai, Bafo Rock entre outros clássicos.

A história do Victor não começa no Coke Luxe, ele começou a tocar em 1962 num conjunto de jazz e a partir do surgimento dos Beatles se envolveu com o rock & roll, participando na Jovem Guarda tocando no conjunto Os Fanis, acompanhando Vanusa, Antonio Marcos e Martinha.

Em 1983 o Eddy Teddy havia parado com a banda Satisfaction (banda que tocava basicamente covers da década de 60) ele tinha mergulhado de cabeça no Rockabilly.

Nessa época o Eddy organizava uma reunião mensal na Av. Mandaqui entre colecionadores de discos e curtidores de rock & roll chamada Feirinha de Disco e numa destas feiras apareceu o Victor que tinha sido baterista do Revolution, grupo de Marco Antonio Malagoli para conhecer o novo batera do Revolution, afinal a banda iria se apresentar.

Em um bate papo com o Eddy, escutou que ele estava querendo montar uma banda de rockabilly e o Victor além de ficar afim de tocar, disse que tinha um baixo acústico em sua casa (o baixo foi posteriormente batizado de Julhão) e o Eddy pirou com a notícia, mostrou pra ele um disco do Buzz and the Flyer´s e o Victor topou na mesma hora encarar o projeto.

Resolveram achar um baixista que tocasse baixo acústico e um guitarrista que tivesse essa pegada, também decidiram que a banda teria que fazer um repertório com letras em português.

O Eddy só conhecia um cara capaz de tocar um baixo de pau, o Pigmeu (Piga) que estava tocando Jazz, MPB e fazendo gravações de estúdio.Fez o convite e o Pigmeu resolveu arriscar. O Victor tinha um amigo de adolescência (Lelo) que tocava guitarra e já tinha tocado com ele, o cara sabia tudo sobre rock instrumental, rock and roll ( principalmente Elvis e Beatles).

A banda estava formada. Não existia uma cena rockabilly no Brasil e da mesma forma que todos da banda tinham sido contaminados por este ritmo alucinante, conseguiam durante as sua apresentações transferir a mesma energia para as outras pessoas e com isso a cada apresentação o público eram contaminados pelo vírus da Coke Luxe.

E foi numa das primeiras apresentações que o produtor Luiz Calanca da Baratos Afins resolveu apostar e produzir os discos da banda.

Nessa época estavam pintando bandas como Blitz e o Magazine e eles decidiram ficar no meio disso. O nome COKE LUXE surgiu da vontade em confundir a palavra coqueluche, que além de significar uma doença, servia de gíria para especificar o que esta na moda.

Victor lembrou de várias passagens da banda, entre elas do show no Madame Satã onde estava presente o Cazuza e todas as outras danceterias que marcaram a decada de 80, inclusive fora de São paulo.

Um outro lance interessante lembrado por ele, foi de uma banda de garotos que um dia abriu o show do Coke Luxe e na época eram muito pouco conhecidos e muitos nem acreditavam se duraria tanto tempo pela quantidade de músicos, essa banda era o Titãs, hoje um dos maiores nomes do rock nacional.

Lembrou da sua saída da banda e de como estavam com medo da ascensão tão rápida do Coke Luxe e o medo que todos tinham de ter que arriscar abandonar o trabalho assalariado e viver do rock ainda mais quando se tem esposas e filhos para criar.

Para encerra comentou da última apresentação que fez ao lado do Eddy Teddy num revival do Coke Luxe no dia que o Krents (banda dos filhos do Eddy, Luiz e Marcos) lançaram o cd também pela Baratos Afins.

Esse show aconteceu no Café Piu Piu, uma casa que abrigou o Coke Luxe no início da banda e curiosamente foi também o último show do Eddy Teddy, um mês antes do seu falecimento.

VICTOR RICELLI – Baterista e líder do grupo BOSSA BRAZILLIS, autor do projeto musical/cultural que presta homenagem aos Trios da década de 60. Atuou ao lado de Juarez Santana, Evaldo Soares, Karlaum (Jongo Trio), além de ter sido side-man de Antonio Marcos e Vanusa na década de 60.

Coke Luxe por Kátia Militello

janeiro 10, 2011

Coke Luxe e Ultrage a Rigor

janeiro 5, 2011

Coke Luxe no estado de Minas gerais

janeiro 5, 2011

Casas e shows que fizeram história

dezembro 30, 2010

Para os colecionadores, aqui estão alguns flyers de shows do Coke Luxe que fizeram história na década de 80.

Quando Coke Luxe esteve em Curitiba

dezembro 28, 2010

Essa é uma raridade que encontrei do dia que o Coke Luxe se apresentou pela primeira vez em Curitiba, ao lado da banda Beijo à Força.

Nas próximas postagens irei disponibilizar alguns flyers e cartazes de casas e bandas que estiveram ao lado do Coke Luxe nas diversas apresentações do grupo nos 80.

Madame Satã

outubro 28, 2010

Madame Satã

Na última sexta feira (22/10/09) participei como entrevistado de um documentário que estão fazendo sobre o Madame Satã.

Na minha opinião o Madame Satã seria como o CBGB, com devidas proporções é claro.

E porque resolvi publicar um post sobre isso?

No início dos anos 80 com a explosão das danceterias o Coke Luxe foi uma das bandas a tocar por lá algumas vezes, além de muita gente ter passado pela casa.

A primeira vez que ouvi sobre o lugar, foi justamente nessa época, quando minha mãe contou que tinha conhecido uma casa que tinha cama de casal no salão, sobre o visual das pessoas que freqüentavam, como punks, darks, rockabillies, etc

Parece que numa dessas até o Massao (ilustrador) fez uma pintura no corpo de uma mulher “nu artístico” no próprio lugar.

Depois fui pisar pela primeira vez nos anos 90, quando estava próximo aos 18 anos.

Deste dia em diante fui muitas vezes,  acompanhei mudanças como o The The, depois o Morcegóvia e por último a volta do Madame Satã.    

Apesar de terem criado um rótulo como uma casa de Darks e Góticas, o Satã sempre obrigou as mais diversas culturas alternativas e durante muito tempo sempre teve espaço ao rockabilly e psychobilly e todas as outras cenas existentes.

Dizer que fez parte dos primórdios da cena rocker no Brasil sem ter conhecido o Madame Satã é quase impossível.

Madame Satã (jornal estadão - nov/84)

Estréia do Compacto do Coke Luxe – É Rockabilly

outubro 27, 2010



Coke Luxe

maio 24, 2010
Coke Luxe - The fisrt Rockabilly band in Brasil

Coke Luxe - The first rockabilly band in Brasil

 

Release Coke Luxe